O verão, a mamãe e o efeito do tempo

ciclo da vida

Aprendendo com o inevitável ciclo da vida a viver cada fase com carinho, afeto e ternura

Era o verão europeu. A jovem senhora estava grávida de 8 meses, se sentia grande e inchada. Aquele dia era especial, estava no aeroporto à espera de sua mãe que estava chegando para ajudá-la a entrar em um momento novo e lindo.

Tão logo as pessoas começaram a sair, o coração da jovem senhora batia apressadamente, ansiosa por ver aquela pessoa tão querida e que já não a via por período de 2 anos.

De repente atrás de um carrinho de malas, surge um rosto conhecido, no entanto mais envelhecido, a jovem senhora sentiu o efeito do tempo estampado no rosto da mãe, mas não deixou que isso tirasse a beleza do reencontro. Um abraço era o movimento mais esperado e podia fazê-la sentir que o tempo não havia mudado a ternura, o afeto e o calor do contato.

Vó Almerinda segurando a neta LaryssaOs três meses passaram muito rápido. Ficavam muito tempo juntas: a mãe, a jovem senhora e a bebê. Momentos mágicos que se foram, mas que ficaram eternizados nas lembranças. E o dia da mãe ir embora chegou.

No mesmo aeroporto da chegada, a jovem senhora a viu entrar para regressar à terra natal, onde parte da família a esperava com muita saudade.

Lisanias, Lidia e Laryssa 2002A jovem senhora ficou com a bebê, o marido e a saudade.

O tempo passou novamente, e passa rapidamente. Tem sido cruel com as mães e com os pais. Os filhos crescem e os pais envelhecem. Gostaríamos de frear o tempo, mas é impossível. Ele passa para os momentos ruins e para os bons.

Alguns dos nossos pais são afetados pela perda da memória. As lembranças caem no esquecimento. Os filhos correm o risco de ouvir daqueles que sempre deles cuidou: Quem é você? Sim, o tempo leva com ele as lembranças e as mais doces emoções.

O tempo também leva a saúde física. O câncer se manifesta, as dores nas articulações, a destreza física, a coordenação motora, a capacidade de executar tarefas simples. Simples rotina passam a ser grandes desafios diários a serem vencidos.

O tempo traz o desgaste da pele. As rugas tomam parte do rosto, das mãos. As manchas da velhice aparecem. Os tremores acontecem e os filhos desabam.

As idas aos médicos passam a ser constantes. Os remédios caros passam a ser-lhes companhia, dentre os compromissos financeiros estão o plano funerário e talvez até o jazigo.

É o ciclo da vida. Gostaríamos que fossem eternos, mas não é assim. Uma eternidade aqui seria um sofrimento sem fim. Todos nós um dia iremos. Felizes são os que vão numa velhice recheada de amor, carinho, filhos e de uma vida vivida efetivamente.

Os filhos precisam a aprender a cuidar dos pais. É hora de retribuir-lhes o carinho, o afeto e a companhia. Os netos precisam apreciar a presença dos avós que com seus cabelos brancos imprimem tanta sabedoria e exemplos a serem seguidos.

A velhice, a perda e a separação farão parte das nossas vidas. Independente da nossa aceitação. Para tanto, é melhor respeitar o tempo e saber que ele leva, mas traz outros e que afetará diretamente nossas vidas, nossa pele, nossas articulações, nosso cérebro. Um sentimento de gratidão mistura-se com dor, emoções inexplicáveis e sabores inigualáveis.

Trilhar o caminho da família é ver chegar e ver partir. Ser afetado pelo milagre da vida – procriar e deixar ir é privilégio de poucos. Perceber as constantes mudanças no corpo e no contexto familiar nos traz nostalgia, medo, insegurança e pavor. No entanto, isso não vai tirar a possibilidade de passar por tudo isso.

Os aeroportos da vida estão cheios de pessoas chegando e saindo. As jovens senhoras esperam algo acontecer e a saudade diminuir. Quiçá os encontros sejam calorosos, amigáveis e cheios de afetos. Quiçá as partidas sejam permeadas por lágrimas de gratidão e lembranças carinhosas, e que na porta de embarque haja um aceno indicando um “Até Breve”.

Leia também

Um abismo chamando outro Em 2 Sam. 11, numa época em que os reis saíam para as guerras, Davi acordou tarde em sua confortável mansão e sem perceber seu erro, foi para a sacada apreciar a paisagem. Viu...
Colocando as coisas em ordem Naquele tempo Ezequias ficou doente esteve perto de morrer. O profeta Isaías, filho de Amoz, foi visitá-lo e lhe disse: "Assim diz o Senhor: 'ponha em ordem a sua casa, pois ...
Desafios do dia a dia Uma das maiores dificuldades do ser humano é conhecer a si próprio. Desde criança nos deparamos com escolhas e, dificilmente temos convicção do que realmente queremos. Hoje, ...

Nos encoraje deixando um comentário!