Acabe, Nabote e sua herança

A Vinha de Nabote

Lendo o texto de I Reis, capítulo 21, fui envolvida com esta história tão fascinante que nos diz muito sobre heranças…

Nabote tinha uma vinha.

Acabe tinha um reino.

Nabote estava feliz com o que tinha. Herança.

Acabe queria mais!

Acabe cobiçou a vinha de Nabote. Queria fazer de sua vinha (herança) uma horta do seu palácio.

Nabote disse: por dinheiro nenhum! O Senhor me livre de te dar a herança dos meus pais!

Inegociável!

Acabe se entristeceu!

Jezabel, sua mulher lhe disse: É assim que você age como rei? Eu conseguirei a vinha de Nabote para você!

Ele nem quis saber como.

Mentiras, calúnias, desprezo entraram na trama para conseguir a vinha a todo custo. Finalmente o assassinato de Nabote.

“Estamos livres. A vinha é tua!”.

Aí veio a Palavra do Senhor: você se vendeu para fazer o que o Senhor reprova; assassinou um homem e se apossou de sua propriedade. E veio a maldição do Senhor sobre Acabe e sua descendência.

Fiquei admirada com a coragem de Nabote. Mesmo sob pressão, ele sabia que devia preservar a herança de seus pais. Nem que para isto ele desagradasse o rei e fosse levado à morte.

Às vezes, por tão pouco, vendemos a nossa herança! Negociamos para agradar homens, famílias, nobres… Ficamos à espera de quem dá mais. Colocamos em leilão o que aprendemos durante toda a vida. Aquela parte que coube à nós o Senhor dar, começamos a repartir para agradar os “Acabes”. Temos medo de enfrentar Jezabel.

Há sempre uma Jezabel do lado de um Acabe, esperando uma oportunidade para sujar suas mãos de sangue, matar um inocente e satisfazer a cobiça do seu Acabe…

Por mais que Nabote tenha sido injustiçado e morto, para mim, ele é o herói da história. Aquilo que aprendeu e que lhe foi passado como herança ele não vende, não empresta e não dá. Não está preocupado em agradar homens, mas, em preservar sua dignidade, fidelidade e integridade. Ele sabe qual é sua herança e a protege dos insatisfeitos. Nem que para isto ele dê a sua vida.

Os “Acabes” não querem saber como Jezabel conseguiu a vinha. Mesmo conhecendo o seu coração disposto a tudo, mesmo sabendo que suas mãos são sujas e que usa os piores métodos para conseguir o que quer: o sangue de um justo é derramado para ser tomada sua herança.

Quantas pessoas são atropeladas, feridas ou até mesmo assassinadas por não negociarem sua herança?!

Esta herança pode ser um ministério que Deus nos confiou. Mas, pode ser, também, valores que nos foi passado. Se nossos pais, sejam famílias de sangue, ou líderes íntegros que influenciaram nossas vidas, nos ensinaram a ser verdadeiros, fiéis, justos, ou nos ensinaram a cuidar da nossa vinha a tal ponto que o “vizinho” que não tem só uma vinha, mas, um palácio, um Reino, começa a cobiçar aquele dom, ministério, ovelhas, talentos… E nos é feita a oferta: “dá-me esta vinha. Te pago o preço que quiser. Te dou outras vinhas”…

É hora de valorizarmos o que temos. Não vamos desprezar e dizer: minha vinha é tão pequena! O que é esta vinha em vista daquilo que o “Rei” pode me dar? Por que não agradar o Rei? Ele vai me recompensar e eu serei de total confiança… Começa a subir em nós um desejo de “mais”, começa a vir em nós o medo de não agradar o Rei e Jezabel tomar a briga para si.

Não importa o tamanho da nossa herança. Ela tem muito valor. Do lado da nossa vinha, sempre tem um Acabe “poderoso”, cheio de riquezas, querendo comprar nosso silêncio, nossa integridade, nossa pureza e nosso pequeno rebanho. Não vamos acabar com nossa herança. Ela não tem preço. Não está à venda!

Pode se levantar até Jezabel contra nós, nossa justiça é o Senhor! Ele fará justiça! Ele cobrará nossa herança de Acabe e amaldiçoará toda sua herança suja e desprezível.

Podem pisotear, deixar de lado, mas, o Senhor cobrará o sangue dos inocentes, que só estava protegendo o que tinha recebido para cuidar.

Será que estamos cuidando da nossa herança ou vendendo à preço de banana?

Por outro lado, será que estamos cobiçando a pequena herança do outro enquanto temos todo um reino para cuidar?

Às vezes, Deus nos confia tanta coisa e nós só queremos a pequena parte de um lavrador. Só para satisfazer o ego. Saciar a cobiça. Achamos que temos muito direito sobre o que tem menos. Aí está a arrogância, soberba. Para Deus não importa o tamanho que nos foi confiado, mas, a maneira como está sendo cuidado. Se protegemos com “unhas e dentes” ou se trocamos por qualquer coisa que possa parecer maior ou mais bonito aos olhos humanos.

Podem levantar caluniadores, homens vadios que trabalham para a mentira. Pode levantar Jezabel cheia de astúcia, audácia e desejo de sangue. Nada pode nos intimidar. Nada pode nos tirar a herança. Podem até nos pisotear e nos “matar”, mas, tenha a certeza de uma coisa. O Senhor fará justiça por nós. Ele não só olha o Rei que tem todo um Reino para cuidar. Ele, também, olha Nabote que tem uma pequena vinha. Vê a integridade e a responsabilidade que Nabote exerce sobre a herança de seus pais.

Pode se levantar Jezabel. Pode se levantar Acabe com todo o seu Reino. Deus não se deixa intimidar. Ele toma as nossas dores, toma a nossa causa e luta por nós. Acabe não chegará longe. Muito menos Jezabel. Ele mesmo colocou sobre maldições sua própria família, seus filhos por causa de uma pequena vinha e agora o futuro deles está preparado. E sua sentença dita.

Não nos deixemos intimidar. Não deixemos o medo invadir a nossa alma. Muito menos a cobiça e a soberba.

Se Deus nos deu uma herança. Seja ela grande ou pequena, aos olhos humanos, até insignificante. Nos responsabilizemos por ela e tratamo-la bem. A nossa recompensa está reservada e a dos “Acabes” também. Isto não pertence à nós, mas ao Senhor da Seara e ao dono dos talentos.

“O homem vê a aparência. Deus porém, o coração” I Sam. 16.7b.

Leia também

Acusado e acusadores   Em João 8 lemos a história de uma mulher pega em ato de adultério e que fora levada até Jesus. Questionaram Jesus acerca de sua postura frente a um pecado intolerado p...
Aprendendo com os limites “Eu só quis ajudar”- Essa é uma frase típica de quem meteu os pés pelas mãos ou exagerou ao ajudar alguém a fazer o que, na verdade não queria. Como o velho ditado diz: de boa...
As maravilhas das multidões As multidões estavam maravilhadas – Mateus 7.28 Desde o tempo de Jesus avalia-se o ambiente pela quantidade de pessoas. Se a Igreja está cheia subtende-se que é boa, abençoad...

Nos encoraje deixando um comentário!